Tecnologia de cosméticos


Achei bem interessante mostrar isso pra vocês, já que sempre rola aquela dúvida se a indútria é “cruelty free” e como seriam os testes que não são realizados em animais, para garantir que haverá a maior semelhança com o resultado em humanos.

Há o sistema “Episkin”, que é uma cultura de células humanas que mimetiza perfeitamente a pele e suas camadas, tornando possível a realização de vários testes para produtos tópicos (ex.pomada) e cosméticos sem o uso de animais/cobaias.

Com o Episkin podem ser feitos diversos testes como irritabilidade do produto, proteção solar, absorção da pele e outros efeitos como causar pigmentação ou despigmentação.

Claro que há a maior diversidade de cosméticos e nem todos passam por esses testes, sendo muitos ainda testados,sim em animais!Isso é a prova que há como testar diversos produtos sem animais e com tecnologia é possível fazer isso!

Anúncios

Se hoje dá pra perder a noção da quantidade de produtos e procedimentos de beleza, é quase inacreditável pensar na vida sem eles.

Achei uma revista de 2007 com uma linha do tempo que viaja desde o primeiro peeling até previsões para o ano que vem!!

70´s: Surgimento das altas tecnologias e peelings   com altas concentrações de ácidos. O problema era que naquela época a descamação pós peeling era absurda!

80´s: Aprovação do colágeno bovino para preenchimento de rugas. Só que as alergias eram super frequentes!

90´s:Uso do ácido hialurônico como preenchedor de efeito temporário e chegada do primeiro aparelho com laser para peeling profundo.

Em 1994 chegou ao mercado o primeiro cosmecêutico com Vitamina C, com ação antioxidante e clareadora (primeiro de milhões!).E 1995 foi o ano de uso do primeiro aparelho de luz pulsada.

De fato os anos 90 foram revolucionários! Ainda houve a publicação de estudo científico atestando a correção de rugas pelo uso da toxina botulínica e começou o uso de DMAE nas formulações (e como era caro!).


A partir daí só houveram evoluções, com uso de novos ativos super modernos, levando a menor incidência de alergias e complicações.

A matéria mostra ainda o aparecimento do thermacool, aparelho usado contra flacidez da pele do rosto e ainda a permissão da FDA para uso do silicone liquido como micorgotas para ser usado como preenchedor.

Para 2010, a revista cita a toxina botulínica do tipo A (ou Purtox), que teria resultados mais rápidos que o botox (toxina botulínica “comum”) e mais duradouros.


Fonte: Revista In Style

Vi esse link no Vende na Farmácia? e, apesar de não ter explorado muito, ainda, achei bem interessante e curioso!

http://www.cosmeticsdatabase.com/

É um site que pontua os cosméticos na faxia de 1 (pouco perigoso) a 10 (ultra!) quanto aos seus componentes tóxicos ou não.

Interessante e bastante informativo!!

DSC05236

E foi assim, nessas embalagens de umenoventaenove que eu embalei meus primeiros batons.

A prática em si nem é tão emocionante mas escolher a cor e ver ele “nascer” da forminha…ah,que lindo!

DSC05234

Bom, como a gente errou na mão de óleo mineral pra ele não grudar na forminha, ele ainda está meio nojento de passar..rs

Mas de qualquer forma eu amei!!!

A CARGO entrou na onda high tech total e lançou uma linha “blu ray definition“, que segundo eles, é para mulheres que serão filmadas em tecnologia de alta definição (quando todos os poros, rugas e demais imperfeições aparecem) ou para simples mortais que querem aparência da pele de pessego em casamentos, fotos ou qualquer outra ocasião que se possa dar o “zoom”.

 

Ela tem todos os produtos para um make básico: primer(com vitamina E, vitamina A), base, mascara(queratina), blush e gloss(ácido hialuronico,cadeias de aminoacidos). Cada um deles conta com uma série de componentes especiais que dão o resultado final impecável para grandes ocasiões.

Achei bem curioso e fiquei com vontade de experimentar e tirar foto com 200megapixel!

Lá no site tem diversa informações sobre os produtos, how to em pdf, uma maravilha!

Precisava partilhar com vocês!!

Terças e quintas tenho aula de tecnologia de cosméticos e na última prática fiz um desodorante antitranspirante roll on com aroma “suave verde”…Pra começar os aromas disponíveis eram horrendos e a gente escolheu esse toscão que fedia menos..

Se tivesse um rótulo lindo, ele enganaria como qualquer outro pois a viscosidade ficou bem próxima à dos vendidos. Bom, o aroma parecia pior antes da gente envasar, no produto acabado ele ficou bem mais suave, porém igualmente tosco e eu não usaria, fato!

Em suma, adorei fazer meu próprio produtinho e depois ainda ouvir meu irmão dizer(única cobaia): “nossa, ele durou o dia inteiro”!!haha

Agora, aguardando a próxima formulação.